Quem já foi síndico sabe como é difícil administrar um condomínio, pois estará o síndico lidando com pessoas, e como sabemos, cada um tem sua personalidade e comportamento, assim é muito difícil equilibrar e encontrar um bom senso para tudo e todos. Ao escolher um síndico, na maioria das vezes, os condôminos preferem pessoas que residam no condomínio, ou seja, um condômino.

 

No entanto, o Código Civil, dá liberdade ao condomínio para escolher pessoa estranha, ou seja, um terceiro não proprietário e não morador (Artigo Art. 1.347). Com isso surge a figura do Síndico Profissional, profissão esta, ainda não regulamentada.

 

Mas a grande celeuma consiste em: é vantajoso para o condomínio contratar um síndico profissional? Não são todos os síndicos profissionais que possuem formação ou estão preparados para administrar um condomínio, da mesma forma que um condômino 

residente; por isso o risco de uma má gestão é possível, assim sendo, deve-se sempre escolher um candidato extremamente capacitado e experiente, sendo que condomínio envolve leis e regramentos, e nem sempre a regra está em consonância com a jurisprudência, dessa forma, a escolha deverá ser feita com base nesses dois requisitos: experiência e capacitação; buscando referências sobre o profissional, consultando condomínios que por ele foram administrados.

 

Assim sendo podemos concluir que, uma coisa é certa: o síndico deve ser no mínimo uma pessoa com noção de administração e ter conhecimento da legislação que rege condomínios, para não agir com imprudência e culpa, pois geralmente quem paga a conta são os condôminos.

 

Luiz Cláudio da Rosa OAB/SC 32.890

Especialista em Direito Condominial